Posts Tagged ‘Amor’

A Pretinha e o Pretinho

A Pretinha, desde quando era pequenininha, seu papai dizia: “ Pretinha, pretinha. Temos que nos valorizar, muita gente não vai gostar de você por causa da cor da sua pele, seu cabelo, seus traços… Mas você é linda”. E pretinha sempre falava: Papai, eu sou linda mesmo, hoje na escola elogiaram meu cabelo, falaram que eu fico linda com tranças!  E assim, Pretinha cresceu. Seus pais sempre mostraram que negro é lindo, sempre ensinaram a Pretinha ter valor da sua origem, da sua gente, da sua cor. E, inclusive, o melhor seria que ela se casasse com um homem negro, para assim a família ficar toda unida, forte, e nada melhor do que um igual para fortalecer juntos o laço, a herança, a cultura e a história… E Pretinha virou mulher, estudou, namorou alguns rapazes, amou. Pretinha muitas vezes ouvia aquela história: “Ai, você está louca? Casar com um homem preto, e o cabelo do seu filho? Ela vai sempre ter esse cabelo ruim?; Ai, clareia essa família, só preto também não é legal”.

O Pretinho desde quando era pequenininho, seu pai dizia: Filho, você é preto e tem seu valor. Você tem que estudar, trabalhar, ganhar dinheiro, ser alguém na vida. E se Deus quiser, vai ser um jogador de futebol ou um homem bem sucedido. Quando isso acontecer, não se esqueça, meu filho, case-se com uma loira ou uma mulher branca. Mulher preta faz muita confusão, é encrenqueira, só dá trabalho, e como falam por aí: “mulher preta mente e faz macumba”, Deus me livre, meu filho. E cá pra nós, a loira é muito melhor do que a preta. E assim, Pretinho cresceu, não virou jogador de futebol, mas um preto com seu devido valor, bem sucedido, e para manter o bom status que seu pai sempre dizia, sempre namorava com mulheres brancas, levava para as festas, apresentava com orgulho para todos.

E nessa louca ciranda da vida, a Pretinha que sempre quis um homem negro. Não só por negro estar na moda, mas ela sempre quis para perpetuar sua história, valorizar o seu povo, a sua raiz. Ela ainda procura um preto para dividir essa longa caminhada. Já o Preto, não se reconhece, não sabe verdadeiramente quem ele é, gosta de samba, gosta de “coisas de preto”, mas da Preta ele não gosta. Não está acostumado com ela, não quer dividir a vida dele, pois lembra do que foi ensinado, desde pequeno, que  a preta pode ser amiga, pode ser irmã, pode ser tudo, menos mulher. E muitas vezes, quando olha para uma preta linda ou que chame atenção nele de alguma forma, diz: “Eu sempre gostei de negras, mas vocês nunca me deram o devido valor”. E a vida vai seguindo… A Pretinha na dela, em busca do seu Preto tão sonhado e o Preto na dele, em busca daquilo que ele não sabe o que falta, se iludindo, reproduzindo toda a “teoria do embranquecimento” e se perdendo mais e mais. Até quando?!

 

 

* Sou a favor de todo tipo de amores e cores, o que não acho justo quando não se tem a liberdade para tal, quando tudo já fica subentendido, já fica criado. Gosto da liberdade. Liberdade das escolhas, das decisões, do pensar e agir.clique aqui

Amor de Carnaval

É…acabou o  carnaval, muita folia,  alegria, fantasias e amores.

Amor de carnaval é totalmente louco, né?  Já é uma data pré-determinada para ter início, meio e fim. Quer dizer, acho que acaba passando do início e pula pro fim, já que o tempo é curto e corrido, acho que o “meio” fica somente para relacionamentos mais duradouros, mais concretos.

E pensando nesse amor meio louco, rápido, intenso, fiquei com meus botões refletindo, e, por fim, tirei a grande conclusão: eu vivo amores de carnaval!!!

Vivo apaixonada, quem me conhece, sabe muito bem, sempre quando falo, vem logo a pergunta: “Quem é agora?” ou “de novo???”  E essas paixões, no fundo, ou então nem precisa ser tão a fundo assim, reconheço que não terá futuro ou pode até ter, mas é algo quase impossível.

Não, eu não vivo de amor platônico, mas vivo como se, por enquanto, não pudesse me envolver,  me apaixonar de fato, me entregar a uma pessoa. Medo? Acho que não, pois meus “relacionamentos” nunca foram muito conturbados. E além do mais, eu gosto de gostar de alguém.

Talvez seja fase,talvez não… só sei que não vivi um amor de carnaval somente nesta época, mas percebi que vivo sempre… No ano todo!!

Não que isso seja ruim, nem tão pouco superficial, mas as vezes acaba tendo uma certa carência, vontade de estar com alguém, mandar cartas, músicas…sou uma pessoa romântica (pelo menos um pouco).  E não tem ninguém pra suprir… Mas são decisões que a gente faz ou pelo menos tenta fazer.

Hoje ou quem sabe amanhã, eu me apaixone de verdade, ou não…

E a vida segue.

“Minha carne é de carnaval, o meu coração é igual”.

Beijos!!

T.

Pensamentos Escritos II

Por que não gostamos de quem gosta da gente? Não seria tão mais fácil?

Eu gosto dele, ele gosta de mim e pronto. Viveremos felizes para sempre como num conto de fadas!  Mas não, pra que deixar as coisas tão comuns e fáceis?  O melhor mesmo é complicá-las. Ele gosta dela, que gosta de fulano e que fulano ama cricana e por aí vai…

Tudo é muito complicado, a vida é complicada…por que não viemos com manual de instrução? mas, e  se viéssemos será que leríamos? acho que não, deixaríamos sempre pra depois.

Esse é o ponto que quero chegar, o deixar sempre pra mais tarde…

Muitas pessoas adiam o que é necessário naquele momento, eu sou uma delas. Uma palavra não dita, um sentimento guardado há muito tempo, aquele amor que precisa ir embora.

Ah… o amor, um sentimento tão bonito, somente quando ele é correspondido, pois senão ele dói, machuca, deixa marcas…

Em relação ao amor não correspondido já pensei em tudo, o apago do msn, do celular, do orkut,  sei que sofrerei, porém terei a certeza, ou não, que o esquecerei futuramente.  Mas e se tudo que eu sinto não passar? e se passar, será que eu quero realmente  esquecê-lo?

Mudanças, sempre as mudanças… o medo do novo, do diferente, das coisas não costumeiras. E sofrer, até conseguir um determinado objetivo.

Tenho esse dilema… O que faço? deixo ele ir e sofro com as consequências? ou não, continuo sofrendo eternamente com esperanças de que um dia esse suposto amor seja correspondido?

Mas se  a águia consegue passar por todas as mudanças, sejam elas as mais dolorosas,  porque eu não posso conseguir?

Beijos!

T.