Archive for Uncategorized

Sem rumo?!

E quando me vejo perdida, sem rumo, sem direção, meu Pai vem, me pega em Seus braços, me mostra claramente que está comigo, Ele conversa comigo… E pronto.

O que antes era choro de dor, de dúvidas, de anseios, de ilusão, se transforma em choro e riso de alegria, de contentamento, de esperança, de completude. Será que eu mereço tanto?! E por que eu mereço tanto? Todo esse zelo, esse cuidado, esse amor sem medidas, essa calmaria, essa paz.

Obrigada meu Pai, por se fazer tão presente, mesmo às vezes eu tão ausente. Obrigada por me escolher e me fazer desse jeito; que eu sempre tenha o discernimento de pensar, refletir, mudar.

Em passos lentos vou caminhando e seguindo no meu tempo, na minha velocidade, no meu e no Seu entendimento e conforme à Sua vontade. 

Anúncios

O resgate da identidade preta se faz urgente!

Imagem

                 Estava eu voltando do trabalho, quando parei em um restaurante e lá estavam três crianças (meninas) e um rapaz bem mais velho, que parecia ao menos ser pai de uma delas. Percebi que ao notar a minha presença as meninas , no primeiro momento, me olharam assustadas e logo depois começaram a rir muito, olhando para mim, não conseguiam conter o espanto de ver uma pessoa negra, com cabelos crespos, e com roupas coloridas, enfim, estava totalmente diferente daquilo que é imposto na sociedade. Ouvi palavras como: feia, cabelo ruim, estranha, beição, e outras várias coisas. E elas estavam tão eufóricas, tão animadas em rir de mim que puxavam o rapaz para que ele pudesse ver. Ele disfarçou, me olhou, deu aquela risadinha de canto de boca mas quando percebeu que eu também estava o olhando, disse às meninas: “riem baixo”. E para complementar havia um quadro grande com figuras de três negras (as “mulatas”) sambando, todas de cabelo black, com roupas coloridas, quando elas olharam e identificaram comigo, foi um alvoroço geral, riram mais alto, apontavam para mim e o quadro. Eu só fiquei observando. O mais triste, diante desta situação toda, não é  fato de estarem rindo de mim, do meu cabelo, do meu estilo, o pior é que as meninas também eram negras,  só que os cabelos alisados, enfim, passaram por todo o processo de embranquecimento e não mais se conheciam, não viam que eu era elas e elas também eram eu. Agradeci aos céus por terem me dado pais tão conscientes, tão educadores, tão sabidos do nosso valor,  que me mostraram quem em sou, porque eu sou desse jeitinho, de onde eu vim…  Ah,e para finalizar este enredo, não pude ficar quieta diante essa situação.  Fui ao encontro do pai, serena, tranquila,  e disse à ele que eu era igual a elas, a única diferença é que eu tinha me achado. E ele como pai tinha que educá-las pois senão o mundo, mesmo elas alisando o cabelo, tentando ser brancas de qualquer jeito, iria continuar rindo delas e elas sofrerem ainda mais com isso, pois não se achariam, ficariam perdidas.  Ele me olhou, pediu desculpas e eu fui embora.  Diante deste relato, desta história corriqueira, saiu uma conclusão, uma triste realidade:  Precisamos resgatar as nossas crianças! Precisamos mostrar à elas que o negro  é lindo, que também pode e deve estudar, ser alguém na vida, podemos usar roupas coloridas, sermos felizes, sermos doutores, médicos, enfermeiros, professores, ter a opção de não alisar o cabelo e continuarmos lindos lindos lindos. É preciso tratar a autoconfiança, o reconhecimento da nossa história. Até quando nossas crianças negras ficarão à mercê desse processo, desse racismo velado, dessa construção equivocada da nossa história? Até quando iremos rir de nós mesmos? Até quando alisaremos a nossa raiz?auto estima

A Pretinha e o Pretinho

A Pretinha, desde quando era pequenininha, seu papai dizia: “ Pretinha, pretinha. Temos que nos valorizar, muita gente não vai gostar de você por causa da cor da sua pele, seu cabelo, seus traços… Mas você é linda”. E pretinha sempre falava: Papai, eu sou linda mesmo, hoje na escola elogiaram meu cabelo, falaram que eu fico linda com tranças!  E assim, Pretinha cresceu. Seus pais sempre mostraram que negro é lindo, sempre ensinaram a Pretinha ter valor da sua origem, da sua gente, da sua cor. E, inclusive, o melhor seria que ela se casasse com um homem negro, para assim a família ficar toda unida, forte, e nada melhor do que um igual para fortalecer juntos o laço, a herança, a cultura e a história… E Pretinha virou mulher, estudou, namorou alguns rapazes, amou. Pretinha muitas vezes ouvia aquela história: “Ai, você está louca? Casar com um homem preto, e o cabelo do seu filho? Ela vai sempre ter esse cabelo ruim?; Ai, clareia essa família, só preto também não é legal”.

O Pretinho desde quando era pequenininho, seu pai dizia: Filho, você é preto e tem seu valor. Você tem que estudar, trabalhar, ganhar dinheiro, ser alguém na vida. E se Deus quiser, vai ser um jogador de futebol ou um homem bem sucedido. Quando isso acontecer, não se esqueça, meu filho, case-se com uma loira ou uma mulher branca. Mulher preta faz muita confusão, é encrenqueira, só dá trabalho, e como falam por aí: “mulher preta mente e faz macumba”, Deus me livre, meu filho. E cá pra nós, a loira é muito melhor do que a preta. E assim, Pretinho cresceu, não virou jogador de futebol, mas um preto com seu devido valor, bem sucedido, e para manter o bom status que seu pai sempre dizia, sempre namorava com mulheres brancas, levava para as festas, apresentava com orgulho para todos.

E nessa louca ciranda da vida, a Pretinha que sempre quis um homem negro. Não só por negro estar na moda, mas ela sempre quis para perpetuar sua história, valorizar o seu povo, a sua raiz. Ela ainda procura um preto para dividir essa longa caminhada. Já o Preto, não se reconhece, não sabe verdadeiramente quem ele é, gosta de samba, gosta de “coisas de preto”, mas da Preta ele não gosta. Não está acostumado com ela, não quer dividir a vida dele, pois lembra do que foi ensinado, desde pequeno, que  a preta pode ser amiga, pode ser irmã, pode ser tudo, menos mulher. E muitas vezes, quando olha para uma preta linda ou que chame atenção nele de alguma forma, diz: “Eu sempre gostei de negras, mas vocês nunca me deram o devido valor”. E a vida vai seguindo… A Pretinha na dela, em busca do seu Preto tão sonhado e o Preto na dele, em busca daquilo que ele não sabe o que falta, se iludindo, reproduzindo toda a “teoria do embranquecimento” e se perdendo mais e mais. Até quando?!

 

 

* Sou a favor de todo tipo de amores e cores, o que não acho justo quando não se tem a liberdade para tal, quando tudo já fica subentendido, já fica criado. Gosto da liberdade. Liberdade das escolhas, das decisões, do pensar e agir.clique aqui

Precioso Tempo

Imagem

Preciso de um tempo.

Tempo pra mim,

para minhas coisas,

meus pensamentos

que parecem não ter fim.

Careço de tempo!

Tempo para arrumar a bagunça,

consertar o quebrado

ajeitar o desarrumado

que está dentro de mim.

Tempo tempo tempo.

Não corras muito,

quero te usar calmamente

e cautelosamente.

Para mim, você é mais que bondoso,

é super precioso

nessa nova caminhada.

me dê tempo de me decidir

mê dê tempo de fazer,

me dê tempo de me achar,

pensar

descobrir

mudar

e ser.

Não Ser

Hoje eu queria virar fumaça, poeira, vento…
Queria ser qualquer coisa que não tivesse identidade,
não queria que me chamassem pelo nome, nem nome eu queria ter…
Queria ficar quietinha, vendo a formiga passar, o pássaro cantar, ou qualquer coisa que eu quisesse ver e sentir…
Hoje não queria ouvir problema e muito menos ser O problema.
Queria estar longe de tudo, não teria celular,  computador, internet, amigos, família… NADA!
Hoje simplesmente não queria existir!
Mas…
Só hoje, porque amanhã eu vou  abraçar o mundo!!!!

Beijos!!!

T.

Apenas um sonho

Não sei se já aconteceu com você,mas sabe quando está num lugar e aí você olha pra uma pessoa e por fração de segundos ou até mesmo minutos você se vê com ela, tem pequenos flashs das suas vidas, que até então eram completamente distintas. E ao mesmo instante que isso acontece, seu coração bate muito forte, sua alma se preenche e fica mais leve.

Só que daí, depois de ter esse “mini flash”,você olha pra pessoa, dá um sorriso, ela te retribui e  cada um segue seu rumo. Com toda aquela sensação de que TUDO seria muito perfeito ou então, de ter sido apenas um sonho…

É isso aconteceu comigo!

 

Beijos!!

 

T.

Amor de Carnaval

É…acabou o  carnaval, muita folia,  alegria, fantasias e amores.

Amor de carnaval é totalmente louco, né?  Já é uma data pré-determinada para ter início, meio e fim. Quer dizer, acho que acaba passando do início e pula pro fim, já que o tempo é curto e corrido, acho que o “meio” fica somente para relacionamentos mais duradouros, mais concretos.

E pensando nesse amor meio louco, rápido, intenso, fiquei com meus botões refletindo, e, por fim, tirei a grande conclusão: eu vivo amores de carnaval!!!

Vivo apaixonada, quem me conhece, sabe muito bem, sempre quando falo, vem logo a pergunta: “Quem é agora?” ou “de novo???”  E essas paixões, no fundo, ou então nem precisa ser tão a fundo assim, reconheço que não terá futuro ou pode até ter, mas é algo quase impossível.

Não, eu não vivo de amor platônico, mas vivo como se, por enquanto, não pudesse me envolver,  me apaixonar de fato, me entregar a uma pessoa. Medo? Acho que não, pois meus “relacionamentos” nunca foram muito conturbados. E além do mais, eu gosto de gostar de alguém.

Talvez seja fase,talvez não… só sei que não vivi um amor de carnaval somente nesta época, mas percebi que vivo sempre… No ano todo!!

Não que isso seja ruim, nem tão pouco superficial, mas as vezes acaba tendo uma certa carência, vontade de estar com alguém, mandar cartas, músicas…sou uma pessoa romântica (pelo menos um pouco).  E não tem ninguém pra suprir… Mas são decisões que a gente faz ou pelo menos tenta fazer.

Hoje ou quem sabe amanhã, eu me apaixone de verdade, ou não…

E a vida segue.

“Minha carne é de carnaval, o meu coração é igual”.

Beijos!!

T.

Um adeus temporário…

 

 

Organizando as fotos para colocar no vídeo da turma, um filme em preto e branco, em todas as cores passaram em minha cabeça.  Lembrei exatamente como eu era quando eu cheguei na cidade e as pessoas que ali conviveram comigo.

Umas se tornaram amigas para sempre, outras talvez num futuro bem próximo (rsrsrs). Só sei que tudo que passei aqui foi essencial para o meu crescimento, para toda minha vida. Como eu sempre dizia, aqui cada um é pai, mãe, irmão e irmã e até madrasta. Cada um tem o seu papel, não, não é um papel definido, você pode também ser tudo ao mesmo tempo. Num piscar de olhos!

Aqui eu aprendi a dividir com pessoas que até então eram estranhas e não tinham nada a ver comigo, aprendi também a dizer não sempre quando eu quero e preciso, aprendi que muitas pessoas dependem de mim e também dependem do meu sorriso, não que elas venham a morrer se acontecer alguma coisa, mas elas querem o meu BEM!

Se eu fosse citar tudo o que eu aprendi e quanto me sinto tão gigante diante esses 4 anos, tenho certeza que ficaria horas e horas.

Só sei que sinto uma angústia no meu coração,um misto de tudo -alegria, tristeza, saudades- aquele mesmo sentimento que tive quando estava vindo pra cá.  Irei embora, sem rumo ou com todo ele traçado, e vem um novo ciclo da minha vida.

Quem são essas pessoas? São as que  me ajudaram, me apoiaram ou que eu sempre soube que elas estavam lá, era só gritar  socorro que a ajuda vinha logo depressa. Desejo que essas elas, no qual se tornaram fundamental pra minha vida, possam ter seus sonhos realizados, e que realizem os meus. Sempre dando a oportunidade de vê-las, conversar com elas, e amá-las do jeito que são!

Só sei que sentirei muitas saudades e que cada um terá um lugar cativo em meu coração!

Amo para sempre!

Beijos!

 

T.

« Previous entries